Papa explica o significado de cada um dos dias do Tríduo Pascal

Na audiência geral na quarta-feira, 31 de março, o Papa Francisco descreveu em que consiste o Tríduo Pascal, os dias centrais do Ano Litúrgico, no qual a Igreja celebra o mistério da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor

Em sua catequese realizada na biblioteca do Palácio Apostólico, o Santo Padre enfatizou que o Tríduo Páscoa começa na tarde da Quinta-feira Santa com a Missa da Ceia do Senhor, que comemora os acontecimentos da Última Ceia.

A tarde da Quinta-feira Santa, afirmou o Papa, “É a noite em que Cristo entregou aos seus discípulos o testamento do seu amor na Eucaristia, não como uma lembrança, mas como um memorial, como a sua presença perene”.

 

OVES-CATEQUESE

 

“É a noite em que Ele nos pede para nos amarmos uns aos outros, tornando-nos servos uns dos outros, como fez ao lavar os pés dos discípulos. É um gesto que antecipa a cruenta oblação na cruz”, ressaltou.

“Vivemos esse mistério toda vez que celebramos a Eucaristia, quando vamos à missa não vamos apenas rezar, vamos renovar, para fazer esse Mistério novamente pascal, isso é importante não esquecer”, disse o Papa.

A Sexta-Feira Santa “é um dia de penitência, jejum e oração” em que “através dos textos das Escrituras Sagradas e orações litúrgicas, estaremos reunidos no Calvário para comemorar a Paixão a Morte redentora de Jesus Cristo”, explicou o Papa que acrescentou que “adorando a Cruz, reviveremos o caminho do cordeiro inocente imolado por nossa salvação”.

“Na hora do supremo Sacrifício na Cruz, ele realiza plenamente a obra confiada pelo Pai: ele entra no abismo do sofrimento, entra em sofrimento, entra nessas calamidades deste mundo para redimir, transformá-lo e libertar cada um de nós do poder das trevas, do orgulho, da resistência a sermos amados por Deus”, ensinou.

Pelas suas chagas nos curou

Nesta linha, ele lembrou as palavras de São Pedro “pelas suas chagas nos curou” para enfatizar que “só o amor de Deus pode fazer isso” e acrescentar que “graças a Ele, abandonado na cruz, ninguém está sempre sozinho na escuridão da morte”.

O Santo Sábado, explicou o Santo Padre, “é chamado de dia do silêncio, um grande silêncio por toda a terra, um silêncio vivido no choro e perplexidade dos primeiros discípulos, chocados com a ignominiosa morte de Jesus” porque “enquanto a Palavra está em silêncio, enquanto a Vida está no túmulo, aqueles que esperaram nele são submetidos a julgamento severo, eles se sentem órfãos, talvez também órfãos de Deus.”

“Este sábado também é Dia de Maria: ela também vive em lágrimas, mas seu coração está cheio de fé, cheio de esperança, cheio de amor. A Mãe tinha seguido o Filho ao longo do caminho doloroso e tinha mantido ao pé da cruz, com sua alma perfurada. Mas quando tudo parece ter acabado, ela cuida, ela observa a espera por esperança na promessa de Deus de ressuscitar os mortos. Assim, na hora mais sombria do mundo, ela se tornou Mãe dos Crentes, Mãe da Igreja e sinal de esperança. Seu testemunho e intercessão nos sustentam quando o peso da cruz se torna muito pesado para nós”, destacou.

Leia mais:
Papa Francisco: ao longo da via sacra diária, aproximemo-nos dos irmãos necessitados

Em seguida, o Santo Padre explicou o significado da noite de sábado e da Vigília da Páscoa.

“Na escuridão do Sábado santo, irromperão a alegria e a luz com os ritos da Vigília pascal e o canto jubiloso do Aleluia”. É o “encontro de fé com o Cristo Ressuscitado e a alegria da Páscoa durará os cinquenta dias que se seguirão, até a vinda do Espírito Santo”.

“Aquele que tinha sido crucificado é ressuscitado! Todas as perguntas e incertezas, hesitações e medos são dissipados por essa revelação. O Ressuscitado nos dá a certeza de que o bem sempre triunfa sobre o mal, que a vida sempre supera a morte e nosso fim não é descer cada vez mais, da tristeza em tristeza, mas subir ao topo. O Ressuscitado é a confirmação de que Jesus está certo em tudo: nos prometendo vida além da morte e perdão além dos pecados”, disse o Papa.

Por fim, o Santo Padre ressaltou que este ano também viveremos as celebrações da Páscoa “no contexto da pandemia” e acrescentou que as “muitas situações de sofrimento, especialmente quando quem as sofre são pessoas, famílias e populações já provadas pela pobreza, calamidades e conflitos, a Cruz de Cristo é como um farol que indica o porto para navios ainda no mar tempestuoso”.

“A Cruz de Cristo é o sinal de esperança que não decepciona; e nos diz que nem mesmo uma lágrima, nem mesmo um lamento se perdem no projeto de salvação de Deus. Pedimos ao Senhor que nos dê a graça de servir, reconhecer este Senhor e (ao contrário dos soldados) não nos deixemos comprar para esquecê-lo”, concluiu o Papa.

Antes de concluir com a oração do Pai-Nosso o encontro o Santo Padre dirigiu uma saudação aos fiéis de várias línguas, entre elas, os de língua portuguesa:

“Caros irmãos e irmãs de língua portuguesa: celebrando os mistérios centrais da nossa fé, vos exorto uma vez mais a não permitir nunca que vos roubem a esperança e a alegria trazidas por Cristo com a sua vitória sobre a morte. A todos desejo uma santa e proveitosa celebração do tríduo da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor!”

Com informações de ACI Digital

©[2021] Portal Paróquias - Todos os direitos reservados a Promocat Promotora Católica

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account