O que você precisa saber sobre Planejamento Estratégico

A importância do planejamento estratégico

Muito se fala em planejamento estratégico (PE). Nas organizações de maneira geral ainda se pode encontrar uma série de interpretações em relação a esta ferramenta da administração. O Planejamento Estratégico, que se tornou o foco de atenção da alta administração das corporações, volta-se para as medidas positivas que uma empresa ou instituição poderão tomar para enfrentar ameaças e aproveitar as oportunidades encontradas em seu ambiente.

Entidades de todos os tipos estão chegando à conclusão de que essa atenção sistemática à estratégia é uma atividade muito proveitosa. Empresas e instituições sem finalidade de lucro, todos os tipos de organizações devem decidir os rumos que sejam mais adequados aos seus interesses. As razões dessa atenção crescente à estratégia empresarial são muitas, algumas mais evidentes que outras. Sendo assim, dentre as causas mais importantes do crescimento recente do Planejamento Estratégico, pode-se citar que os ambientes de praticamente todas as empresas e entidades mudam com surpreendente rapidez.

Primeiramente, trata-se de um instrumento mais flexível que o conhecido Planejamento a Longo Prazo. Um elemento-chave da estratégia é a seleção de apenas algumas características e medidas a serem consideradas e tomadas. É um instrumento que força, ou pelo menos estimula, os administradores a pensar em termos do que é importante ou relativamente importante. Também a se concentrar sobre assuntos de relevância.

Leia também:
O uso do endomarketing na pastoral do dízimo

Mitos e Concepções

No mundo dos negócios, a maior parte do pensamento convencional sobre planejamento estratégico, ou seja, o estabelecimento de metas e a formulação de planos para atingi-las, é mal conduzida e às vezes obsoleta. Muitas organizações perdem tempo excessivo e energia intelectual preciosa tentando planejar e fazer um prognóstico de seu futuro. Criam planos estratégicos grandiosos, apoiados em orçamentos detalhados, estimativas de recursos, planos táticos e cronogramas, mas a maioria desses esforços tem pouca ligação com o sucesso dos resultados.

Muitos líderes tendem a confundir orçamento com planejamento. Nas instituições estatais, por exemplo, em que os orçamentos são quase em sua totalidade dirigidos para os custos da folha de pagamento, o líder simplesmente extrapola os custos do ano vigente para o ano seguinte, com correções para ajustes de salários e fatores relacionados ao custo de vida. Todos eles compõem seus orçamentos corretamente, com mínimas mudanças, e o processo passa de um ano para outro. Entretanto, esse tipo de atividade com base no orçamento ilude as pessoas, levando-as a pensar que estão planejando, mas de fato, freqüentemente há muito pouco ou nenhum planejamento.

Duas questões têm recebido especial atenção nos últimos anos. Os administradores devem considerá-las cuidadosamente para determinar como a administração estratégica deve ser praticada dentro de uma instituição em particular. Portanto, trata-se das relações externas e da responsabilidade social.

Leia também:
Atualize o exercício pastoral em sua comunidade

Principais objetivos do Planejamento Estratégico

– Definir resultados ou metas;
– Determinar ações;
– Reservar recursos;
– Visar a alvos definidos;
– Dominar as “ondas de choque;
– Explorar tendências;
– Gerir acontecimentos;
– Monitorar os indicadores críticos.

Por Hernam Aldai

Texto escrito por Hernam e adaptado por Redação Promocat

 

©[2019] Portal Paróquias - Todos os direitos reservados a Promocat Marketing Integrado

CONTATO

Não há nenhum operador online, mas você pode nos enviar um e-mail e retornaremos o mais breve possível.

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account