Na pandemia, contribuir com o dízimo é um ato de solidariedade

A devolução do dízimo em tempos difíceis de pandemia é um ato de amor e solidariedade à comunidade

O dízimo é, antes de tudo, um compromisso de fé e de amor com a comunidade, em que se assume o batismo como membro participante e coerente, onde vive-se o espírito da partilha e da doação, fundamentados no mandamento do amor, centro do evangelho. Dom Aloisio Dilli, bispo de Santa Cruz do Sul, comenta que o dízimo é também um sinal concreto de amor e gratidão a Deus pelos dons que recebemos, sobretudo, pelo seu imenso amor que nos quer participantes de sua vida.

 

SEMANA-2020-BANNER-2

 

Nesses tempos de pandemia, a prática de se contribuir com o dízimo se revela também um ato de solidariedade e amor a si e ao próximo. De acordo com dom João Bosco, bispo de Osasco “O compromisso do dízimo não é uma obrigação moral ou jurídica, mas um gesto de amor. É uma oração silenciosa, porque esse amor se dirige a Deus. É também um recado à comunidade, como que dizendo: pode contar comigo, pois eu fiz uma opção de participar, uma conversão por amor e para o amor”.

Leia mais:
O coronavírus e o impacto na evangelização digital

Como contribuir diante de um período de isolamento social

As arquidioceses e dioceses do Brasil criaram algumas formas para ajudar a sensibilizar os fiéis sobre a necessidade de devolver o dízimo, neste período de pandemia, com as igrejas fechadas.

Entre elas, estão:

  • Divulgação das contas bancárias e dos novos métodos nas Redes Sociais;
  • Criação de sites para o recebimento do dízimo, com boleto bancário, cartão de crédito ou transferência bancária;
  • Débito Automático;
  • Implantação de aplicativos.

Confira o exemplo da Arquidiocese de Porto Alegre:

Com informações de CNBB

SEMANA-2020-BANNER-2

©[2019] Portal Paróquias - Todos os direitos reservados a Promocat Promotora Católica

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account