Marketing Religioso: razões para utilizá-lo na paróquia
Marketing Religioso: 5 razões para utilizá-lo em sua paróquia

O Marketing Religioso nada mais é do que detectar as necessidades dos fiéis que são membros da Igreja Católica. Seu intuito é procurar, sem macular os princípios cristãos ou os mandamentos e com ética, satisfazê-los, cativando-os e fidelizando-os cada vê mais.

João Paulo II foi um Papa que utilizou o marketing religioso

O Papa João Paulo II foi, sem dúvida, o maior inspirador desta atividade. Principalmente por sua disponibilidade de sair do Vaticano em direção a outros países. Ele deu uma visibilidade incrível à Igreja por meio da mídia mundial, além de, naturalmente, ser uma pessoa bem preparada. Por ter feito teatro, era um exímio comunicador, sabia usar os meios de comunicação. Porém, ainda antes dele, o Papa João XXIII foi o grande precursor deste movimento. Contudo, o Pontífice convocou, mesmo sob grandes resistências internas, o Concílio Vaticano II, cujos resultados, conhecemos.

Leia também:
Liderança na paróquia – a missão do líder e o poder do exemplo

O panorama do Marketing Católico no exterior

Nos Estados Unidos existe uma instituição denominada NCDC (National Catholic Development Conference). A instituição trata da questão de como levantar fundos para a manutenção de congregações, dioceses, paróquias e demais organizações católicas. Como resultado, em outros países a atividade é ainda incipiente.

Dificuldades enfrentadas

Marketing Religioso: 5 razões para utilizá-lo em sua paróquia

Implantação do Marketing Religioso nas paróquias

Sendo assim, a maior resistência é ainda a associação do marketing às atividades específicas de mercado. Resumindo, elas geram o temor natural de uma “mercantilização” da fé, além de desconhecimento da atividade do marketing. No entanto, atualmente elas estão sendo superadas fisiologicamente, pela própria necessidade que a Igreja hoje enfrenta no mundo inteiro, de como manter financeiramente as instituições católicas, por exemplo.

Profissionalizar uma atividade dentro de um setor que lida com a religiosidade

O marketing sempre considerou as necessidades emocionais como uma das necessidades humanas (intangíveis) a serem satisfeitas, até mesmo dando maior ênfase a elas em relação às necessidades físicas (tangíveis). Sendo assim, as atividades de marketing são perfeitamente aplicáveis à religião, desde que, como já afirmei, sejam resguardados os princípios éticos e morais pertinentes a ela.

Exemplos de ações de marketing bem-sucedidas em outras religiões podem ser aproveitadas (Benchmarking)

Primeiramente, O Benchmarking é a atividade de verificarmos, no ambiente onde atuamos, quais as soluções que os nossos “concorrentes” encontram para os problemas comuns de nossos “clientes” ativos ou em potencial. Desde que não se firam os princípios éticos e legais inerentes, os bons exemplos de ações bem sucedidas em outras religiões, podem e devem ser aproveitados para a nossa religião católica. Além dos exemplos externos, são muitos os “cases” incluindo diversas paróquias e dioceses. Portanto, as instituições têm uma receita de dízimo que as permite fazer um excelente trabalho junto à comunidade e é isso que vale.

Leia também:
Dízimo: a concorrência entre paróquias e “comunidades famosas”

Antonio Miguel Kater Filho é Consultor de Marketing Católico, Diretor de TV, radialista, músico, professor universitário com título de Mestre pela USP Universidade de São Paulo com a tese: O Marketing Aplicado a Igreja Católica. Articulista e Escritor com 4 obras publicadas pelas editoras Loyola e Ave Maria.

Texto escrito por Antonio Miguel Kater Filho e adaptado por Redação Promocat

©[2019] Portal Paróquias - Todos os direitos reservados a Promocat Promotora Católica

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account