Incentive a comunidade abastecer-se do essencial sustento de uma ação evangelizadora por meio do dízimo

Incentive a comunidade abastecer-se do essencial sustento de uma ação evangelizadora por meio do dízimo

A Igreja Cristã, desde o início de sua existência, tem consciência de que é uma comunidade: a comunidade dos discípulos de Jesus Cristo, reunidos pelo Espírito Santo para viver no amor ensinado e vivido pelo mesmo Jesus. A comunidade é fruto da Boa Nova e é, ao mesmo tempo, o lugar próprio da vivência e do impulso missionário para que o anúncio se espalhe por todo o mundo. É a comunidade de fé e de amor o início e o fim de toda a ação evangelizadora da Igreja de Jesus Cristo.

 

VOLTAR PARA O ÍNDICE DA EDIÇÃO 97

 

A manutenção da comunidade

A comunidade cristã se mantém pela fé em Jesus, vivo e Ressuscitado, e pelo amor vivido concretamente no cotidiano, nas relações entre seus membros e nas relações com o mundo. Ela não é do mundo, mas está no mundo. Relaciona-se com tudo o que tem no mundo. Nesse sentido, ela não está imune a todas as implicâncias que o mundo tem na vida das pessoas. Também ela necessita se organizar e se sustentar, como qualquer outra organização. Aí vem os desafios próprios dessa realidade, junto ao mundo que a circunda, para, como outras entidades, se manter coesa e unida.

Não só de pão vive o homem, mas também ele é necessário. O pão é uma necessidade indispensável. Ninguém pode sobreviver sem pão. Sendo assim, a comunidade cristã não pode deixar de se preocupar com esta dimensão, a sua manutenção. Como fazer para que o sustento seja garantido?

A partir da tradição judaica, a comunidade cristã entendeu que o dízimo é bíblico. Não é mera invenção humana, mas vem da própria Revelação. Conforme as diferentes situações históricas, a Igreja foi se adaptando aos costumes dos povos que se convertiam ao cristianismo, porém nunca deixou de se preocupar com o pão material para seu sustento. Mesmo chamando de modos diversos, a manutenção sempre foi vista como um meio para que a Igreja pudesse ser evangelizadora. Disso se pode concluir que:

  1. O fim sempre é a comunidade evangelizadora, nunca a sua manutenção, seja ela oferta, dízimo, taxa, etc. Nenhuma campanha financeira empreendida pela comunidade cristã se justifica se não tiver como fim o bom funcionamento da evangelização. O dízimo nunca se justifica a si próprio. Uma comunidade que acumula bens sem investi-los na evangelização, perde seu sentido e sua identidade cristã.
  2. Desta forma os bens que os fiéis oferecem para a manutenção da comunidade adquirem um sentido que vai além do imediato. Eles contém em si uma participação evangelizadora. É um pouco daquilo que cada fiel faz para que o Anúncio do Reino siga pelo mundo afora. É a renúncia da fé que exige desapegar-se daquilo que é deste mundo em prol do Reino de Deus. É renúncia, mas renúncia livre e alegre.
  3. Nesse sentido, é eliminada toda barganha com Deus. Não se dá o dízimo ou qualquer outra oferta com pagamento. Sabe-se que é a comunidade que evangeliza e não se compra a graça de Deus. A comunidade experimenta e faz experimentar a bondade de Deus e, quem contribui para a existência dela, este se abre para acolher o que o Deus de Bondade tem a oferecer.
  4. A manutenção da comunidade de fé dá ao contribuinte a oportunidade de participar, não somente pelo desejo, mas com obras concretas. Ele se doa por completo, na dimensão espiritual e material.
  5. Quando assumido como dever sagrado, a manutenção da comunidade educa e converte. Educa porque ensina a colocar os bens no seu devido lugar, não deixá-los tomar conta do coração humano; converte porque exige renúncia e sair de si. O egoísmo fecha o homem em si mesmo, mas a generosidade o abre para novos caminhos. Seguir o caminho do Evangelho pede muita generosidade.

Incentive a comunidade abastecer-se do essencial sustento de uma ação evangelizadora por meio do dízimo

Comunidade em vista do Reino

Sendo tão importante para a pessoa de fé a participação e o anúncio do Reino, não deve haver dúvida de que é necessário prover a manutenção da comunidade para que ela possa cumprir com a sua missão. Ela é o lugar onde se experimenta e vive a realidade do Reino e é também o ponto de partida para o trabalho missionário. Todo missionário tem atrás de si uma comunidade de fé.

A Pastoral do Dízimo, que foi assumida pela Igreja no Brasil, está preocupada com esta questão. Ela não visa arrecadar dinheiro por dinheiro. Mas tem consciência de que as comunidades necessitam ter condições para se sustentar. Uma vez sustentadas – mesmo pobres, mas com dignidade -, elas têm o pão para o caminho que o anúncio do Reino percorre.

Ao se entender o que é comunidade cristã, não é mais preciso insistir na quantidade da contribuição de cada fiel, pois sabe-se que ela vive daquilo que lhe é colocada à disposição dos membros. Cada membro se faz presente de corpo e alma, também com a sua ajuda financeira, para que tudo funcione bem. Aqueles que dependem diretamente das comunidades para fazer seu trabalho, não precisam esmolar, pois têm o respaldo de todos que colaboram livres, conscientes e generosamente. Este é o ideal.

A comunidade cristã que existe em vista do Reino e, que conta com cada um de seus membros, na sua tarefa de implantar o mesmo nas realidades deste mundo, automaticamente valoriza e inclui a todos em seu seio. O dizimista é abraçado e abençoado na comunidade. É lá que ele se realiza na busca do Reino e na difusão dele.

Que cada cristão possa descobrir a importância da comunidade, e, uma vez convencido disso, opte pelo dízimo, não como obrigação, mas como uma oportunidade para ser membro em todos os sentidos. Que o Reino de Cristo, inaugurado por Jesus, anunciado pela Igreja através dos séculos, esteja sempre diante do dizimista e das pessoas que doam do que é seu com generosidade.

O fim do dízimo ou de qualquer oferta do povo de Deus não é arrecadar dinheiro, mas sempre, dar suporte à comunidade. É porque Jesus formou e mandou formar comunidade que se necessita dos bens que a mantém. A comunidade cristã, por sua vez, existe para que os membros possam “experimentar” o Reino. O fim último de tudo é o Reino. Mas como qualquer comunidade precisa dos meios para sua sustentação, também a comunidade cristã não escapa desta lei.

Todo trabalho pastoral, no sentido de conscientizar para a responsabilidade da partilha, tem, na verdade, a meta de formar comunidade. Esta, tendo garantida sua manutenção, proporciona aos membros o acesso ao Reino, e dá-lhes suporte para anunciá-lo também além dos seus limites.

Pe. Mário Fernando Glaab

Veja os outros artigos da edição 97:

VOLTAR PARA O ÍNDICE DA EDIÇÃO 97

©[2022] Portal Paróquias - Todos os direitos reservados a Promocat Promotora Católica

ou

Fazer login com suas credenciais

Esqueceu sua senha?