Audiência Geral: Papa Francisco sugere imitar a oração da Virgem Maria

“Senhor, aquilo que quiser, quando quiser e como quiser!” é a oração que sugere Papa Francisco para ter um coração aberto a Deus com humildade

O Papa Francisco sugeriu, na Audiência Geral de quarta-feira, 18 de novembro, imitar a oração da Virgem Maria para ter um coração aberto a Deus com humildade e dizer com confiança: “Senhor, aquilo que quiser, quando quiser, e como quiser!”

Continuando com sua série de catequeses sobre a oração, o Santo Padre destacou a Virgem Maria como “mulher de oração” e acrescentou que “Maria pertence à grande multidão daqueles humildes de coração que os historiadores oficiais não inserem em seus livros, mas com quem Deus preparou a vinda de seu Filho”.

 

OVES-PASTORAIS

 

“Quando o mundo ainda a ignora, quando ela é uma simples jovem futura esposa de um homem da casa de Davi, Maria reza. Podemos imaginar a jovem de Nazaré recolhida em silêncio, em contínuo diálogo com Deus, que logo lhe confiaria a sua missão. Ela já está cheia de graça e imaculada desde a concepção, mas ainda não sabe nada de sua surpreendente e extraordinária vocação e do mar tempestuoso que terá de enfrentar”, disse o Papa.

Oração de Maria

Nesse sentido, o Pontífice lembrou que Maria estava em oração quando o arcanjo Gabriel a encontrou em Nazaré para anunciar que ela seria a Mãe de Deus. “Seu eis-me aqui’, pequeno e imenso, que naquele momento faz toda a criação saltar de alegria, foi precedido na história da salvação por muitos outros ‘eis-me aqui’, por muitas obediências confiantes, muitas disponibilidades à vontade de Deus”.

“Não há melhor modo de rezar do que colocar-se como Maria em atitude de abertura, coração aberto a Deus: ‘Senhor, aquilo que quiser, quando quiser, e como quiser!’ O coração aberto à vontade de Deus e Deus responde sempre. Quantos fiéis vivem deste modo a sua oração! Aqueles que são humildes de coração rezam assim, com humildade essencial, com humildade simples. “Senhor, aquilo que quiser, quando quiser, e como quiser”, advertiu.

Leia mais:
Basílica de Aparecida terá iluminação com cores da “Economia de Francisco”

Rezar com humildade

Deste modo, o Papa convidou-nos a rezar com humildade sem nos irritar “porque os dias são cheios de problemas, mas indo ao encontro da realidade e sabendo que no amor humilde, oferecido em cada situação, nos tornamos instrumentos da graça de Deus” e acrescentou que é uma oração simples que nos permite colocar “a nossa vida nas mãos do Senhor para que seja ele a nos guiar”. “Todos nós podemos rezar assim, quase sem palavras, simples. ‘Senhor, aquilo que quiser, quando quiser, e como quiser’”.

“A oração acalma as nossas inquietudes, mas nós somos inquietos, queremos as coisas antes de pedirmos, queremos rápido, rápido. A vida não é assim. Essa inquietude nos faz mal. A oração acalma a inquietude, sabe transformá-la em disponibilidade. Estou inquieto, rezo e a oração me abre o coração e me torna disponível à vontade de Deus”, explicou.

Anunciação

Neste sentido, o Santo Padre destacou que, na Anunciação, a Virgem Maria soube “rejeitar o medo, apesar de ter previsto que o seu “sim” lhe teria dado provações muito duras” e acrescentou que “se na oração entendemos que cada dia doado por Deus é um chamado, então alargamos os nossos corações e acolhemos tudo. Aprende-se a dizer: ‘Aquilo que quiser, Senhor’. Prometa-me apenas que estará comigo a cada passo do meu caminho”.

“Isso é importante, pedir ao Senhor a sua presença a cada passo do nosso caminho. Que Ele não nos deixe sozinho, que não nos abandone na tentação, que não nos abandone nos momentos difíceis. O final do Pai-Nosso é assim, a graça que Jesus nos ensinou a pedir ao Senhor”, acrescentou.

Além disso, o Papa recordou que a Virgem Maria acompanhou na oração “toda a vida de Jesus, até sua morte e ressurreição; e no final acompanha os primeiros passos da Igreja nascente.” “É a mãe de Jesus que reza com eles, em comunidade, como uma da comunidade. Reza com eles e por eles. E, mais uma vez, a sua oração precede o futuro que está prestes a acontecer: por obra do Espírito Santo tornou-se Mãe de Deus e, por obra do mesmo Espírito, torna-se Mãe da Igreja.”

“Rezando com a Igreja nascente, torna-se mãe da Igreja, acompanha os discípulos nos primeiros passos da Igreja. Na oração esperando o Espírito Santo e depois nos primeiros passos, em silêncio, sempre em silêncio. A oração de Maria é silenciosa”, frisou.

 

CADASTRO REVISTA

Catecismo da Igreja Católica

Por isso, o Papa recordou que o Catecismo da Igreja Católica explica que “na fé da sua humilde escrava, o dom de Deus, isto é, o Espírito Santo, encontra o acolhimento que espera”.

Da mesma forma, o Santo Padre sublinhou que o Evangelho descreve a presença da Virgem Maria “em momentos cruciais” porque “é a voz de Deus que guia o seu coração e seus passos onde sua presença é necessária. Presença silenciosa de mãe e discípula” e explicou que “Maria está presente porque é mãe, mas também porque é a primeira discípula, porque aprendeu por primeiro as coisas de Jesus… Ela é a primeira discípula, reza como Mãe e reza como discípula”.

“Maria guardava todas essas coisas e as meditava em seu coração”

Por fim, o Papa Francisco destacou que São Lucas retrata a Mãe do Senhor no Evangelho da infância, destacando que “Maria guardava todas essas coisas e as meditava em seu coração” e explicou que “tudo o que acontece ao seu redor acaba tendo um reflexo no fundo do seu coração: os dias cheios de alegria, como os momentos mais sombrios, quando também ela tem dificuldade em compreender o caminho da Redenção. Tudo termina no seu coração, para que passe pelo crivo da oração e seja transfigurado por ela”.

“Sejam os presentes dos Magos, ou a fuga ao Egito, até aquela tremenda sexta-feira da paixão: a Mãe guarda tudo e leva ao seu diálogo com Deus. Alguns compararam o coração de Maria com uma pérola de esplendor incomparável, formada e suavizada pela paciente acolhida da vontade de Deus através dos mistérios de Jesus meditados na oração”.

Leia mais:
Vaticano disponibiliza vacina contra gripe e teste da Covid-19

Por isso o Papa exortou “Que bonito se também nós pudermos ser um pouco semelhantes à nossa Mãe! Com o coração aberto à Palavra de Deus, com o coração em silêncio, obediente, com o coração que sabe acolher a Palavra de Deus e a deixa crescer como uma semente para o bem da Igreja”.

Com informações de ACI Digital

©[2020] Portal Paróquias - Todos os direitos reservados a Promocat Promotora Católica

ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account