Aprenda novas estratégias para a reunião comunitária

Atente-se aos novos procedimentos e estratégias para a reunião comunitária de seu grupo paroquial

A reunião comunitária anda meio em baixa na Igreja. Alguns dizem que a Igreja sofre de “reunite aguda”. Será que isso é resultado de não entendermos o que significa a reunião na comunidade? Será que a agitação atual dificulta nossas reuniões? Será que estamos cansados de tantas reuniões? Será que as reuniões não resolvem nada? Será que precisamos de um novo modo de discutir ideias?

A importância da reunião na comunidade

Reuniões são elementos inevitáveis no ambiente corporativo, acadêmico, doméstico ou comunitário. Há encaminhamentos, decisões e definições comunitárias que só podem acontecer se houver a ação de reunir os interessados, ouvir a todos e tomar as melhores decisões possíveis. Para que uma comunidade seja dinâmica e amadureça é preciso que seus membros se encontrem e vivam em uma “só alma e em um só coração”.

Reuniões são “sacrifícios” inevitáveis e fica difícil se livrar delas, pois ajudam a administrar, organizar e possibilitam sugestões e ideias. Mal planejadas ou conduzidas ficam cansativas e ganham o título de “perca de tempo”. Por serem importantes e necessárias precisam ser reconsideradas ou reconfiguradas. Desse modo, é importante fazer algumas indicações sobre técnicas a serem executadas para que uma reunião na comunidade seja bem elaborada e produtiva.

Leia também:
Execute boas reuniões com os agentes de pastoral

Técnicas e procedimentos que ajudam a melhorar as reuniões na comunidade

Na vida de comunidade há reuniões para organização, partilha, decisão, aprofundamento de temas, etc. Todas obedecem os mesmos passos, que são simples e óbvios, mas nem sempre lembrados. Algumas dicas que ajudam a realizar boas reuniões.

Antes da Reunião
  • Necessidade: fazer reunião por fazer ou por obrigação é irresponsabilidade e desrespeito para com os participantes. Reuniões acontecem para discutir temas, refazer objetivos, organizar pessoas e métodos de trabalho. Por isso, as pessoas convidadas precisam ser capazes de resolver problemas, não apenas de tomarem decisões.
  • Hora e o local: a definição da hora e do local da reunião precisa ser previamente estipulada. Fazer reunião a “toque de caixa”, sem local preparado e designado é como entrar em um salão de dança sem saber dançar. Até se consegue resolver a situação, mas se gasta muita energia e pisadas no pé até tudo se resolver.
  • Pauta: Reuniões precisam de uma pauta sólida que permita preparo prévio. Nenhuma reunião deve ser convocada sem indagar temas ou matérias a serem discutidos. Flexibilidade é importante, mas ausência de pauta conduz a assuntos polêmicos, discussões sem interesse e decisões inconsistentes.
No momento da Reunião
  • Oração: sempre iniciar com uma oração. Reunião da comunidade não pode perder o foco da espiritualidade. Uma reunião comunitária implica um ato de fé, pois Jesus disse: “onde dois ou mais estiverem reunidos eu estarei no meio deles”. A oração inicial numa reunião não é dispensável.
  • Importância do (a) secretário (a): toda reunião precisa de alguém que a secretarie. Este certifica que todos os temas acordados serão discutidos, tomando nota das decisões e gerando uma ata que comporta o que se foi discutido e decidido.
  • Andamento: os temas precisam ser colocados previamente, mas a comunidade reunida é quem deve decidir sobre o andamento da reunião. Há assuntos que podem ficar para outra reunião. Mas quem decide isso são os reunidos.
  • Respeito ao relógio: o tempo da reunião deve ser estipulado antecipadamente e é importante ater-se a ele. Reuniões que vão além do tempo previsto perdem o efeito, pois pessoas se desligam dela. Quando uma reunião atrasa para começar, os que chegaram na hora são lesados e o atraso pode prejudicá-los. Precisa-se de um responsável que marque o tempo. Respeito a isso, torna a reunião saudável.
  • Moderador ou organizador: a reunião precisa ter um moderador ou organizador que ajude a dirigir as discussões evitando a perda do foco; do contrário, as discussões se misturam e a reunião fica improdutiva. O moderador precisa estar atento para que os participantes se expressem e sejam compreendidos. Também é importante cuidar para que uma só pessoa não domine a opinião dos outros.
Pensando o pós-reunião
  1. Decisões: no processo decisório de uma reunião é importante saber quem vai pôr as decisões em prática. A ação precisa seguir o que foi decidido. Todos precisam sair cientes do que lhes cabe realizar. Um pequeno relatório das ações a serem exercidas pode ser solicitado para a próxima reunião, isso valoriza a ação da comunidade.
  2. Atualização: reuniões precisam ser atualizadas. Em cada nova reunião é importante lembrar pontos e decisões da reunião anterior. É uma prática que ajuda a dar continuidade à reflexão e às decisões e a não voltar aos mesmos temas já refletidos.
Procedimentos que ajudam quando somos convidados para uma reunião na comunidade

Muitas vezes estamos desmotivados para uma reunião. Talvez porque nos sentimos fora do tema ou incapacitados de ajudar em possíveis reflexões. Os motivos podem ser diversos, mas o próprio convite para a referida reunião comunitária é sinal da importância da nossa presença. Há vários procedimentos práticos que ajudam a entrar no espirito da reunião, destacamos alguns que podem ser muito úteis.

Cuidados a serem tomados antes da reunião
  1. Tenha sempre à mão um bloco de anotações, uma agenda ou um calendário. Pessoa sem nada nas mãos pode transparecer um turista acidental. Não é isso o que se espera de alguém interessado no bem da comunidade.
  2. Tome cuidado com o celular. Desligue ou deixe-o no silencioso. Um toque de celular no meio de uma reunião pode causar irritação nos outros ou quebrar a reflexão em andamento. Celulares guardam chamadas e tem caixa postal, por isso, podem ser desativados nas reuniões.

Leia também:
Qual o seu legado na paróquia? Estabeleça uma relação com seus paroquianos

As discussões em uma reunião
  1. Falar menos e ser mais direto nos comentários. Quanto menos falamos mais seremos ouvidos. Ninguém gosta de ouvir longos discursos. Por outro lado, entrar numa reunião “mudo e sair calado” também não ajuda. Por isso, é bom resumir ao máximo o que temos a dizer para não ser cansativo e prolixo. Precisamos saber que vamos a uma reunião para escutar a ideia dos outros, expor a nossa e chegar a algo comum.
  2. Combata sempre as ideias que não são boas para a comunidade. Nunca combata a pessoa, sim a ideia. É mais saudável dizer que não concorda com “essa ideia” do que dizer que não concorda com “a sua ideia”.
  3. Busque sempre fazer “ganchos” com o que foi falado anteriormente. Ajuda a retomar e focar o assunto discutido, isso dá respaldo ao que se está falando. Pessoas que abordam assuntos sem “ganchos”, arriscam repetir as mesmas ideias anteriores sem liga-las a outras, dando a impressão de estarem fora do contexto.
Concluindo

Enfim, uma reunião comunitária bem dirigida torna-se momento de crescimento e de evangelização para a comunidade. Acabam sendo grandes celebrações de vida, onde cada um é conhecido melhor pelas suas ideias e sugestões e tomado como membro do mesmo corpo, numa unidade. Todos são chamados a crescer e tem o direito de se expressar.

É preciso descobrir melhor o valor da reunião na comunidade e por ela alimentar a fraternidade, solidariedade e comunitariedade. Sem a reunião não se poderá pensar os melhores caminhos para viver a ação missionária. Sem a missão não se poderá dizer que a Igreja está cumprindo seu papel, pois a Igreja nasceu para “evangelizar”.

Pe. Gelson Luiz Mikuszka, CSsR é Missionário Redentorista e Mestrando em Teologia pela PUCPR.

Texto escrito por Pe. Gelson e adaptado por Redação Promocat

©[2019] Portal Paróquias - Todos os direitos reservados a Promocat Marketing Integrado

CONTATO

Não há nenhum operador online, mas você pode nos enviar um e-mail e retornaremos o mais breve possível.

Enviando
ou

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

ou

Create Account